Geologia e Ambiental

28 de fevereiro de 2011

Conversa de bar...


Paulo Paixão

Almas jazem sob as águas

Nosso bate-papo prosseguiu, mas, desta vez, no bar do Udinor aqui em Belém.
O amigo queria saber as novidades de Santarém.
Entre uma dose ou outra de cerveja e tira-gosto, ouvindo músicas regionais, conversamos:
- Desta vez, parceiro, fiquei chocado com o que presenciei no rio Curuá-Una, acima da barragem da hidrelétrica!
- Exatamente onde? - Atalhou o amigo confidente.
Sorvi mais um gole e o informei já um tanto pesaroso:
- Na localidade de “Porto Alegre”. Ficamos alojados por dois dias na hospitaleira casa do simpático casal, seu Amaral e dona Estrela. Mas assim que chegamos (eu e alguns amigos) deparamos de imediato com a imagem de desolação da natureza, em particular nas águas paradas do verde rio Curuá-Una.
- Conte tudo – disse o amigo transparecendo em seu semblante saber de antemão o que eu ia falar.
- O lindo rio de águas paradas, encimado por troncos e troncos secos e acinzentados, do que ante fora frondosas e verdejantes castanheiras (castanha-do-pará e sapucaia). Aquela paisagem de pós-guerra nuclear ferira nossos corações e arrancara lágrimas de todos nós.
O parente Udinor, também sorveu com ímpeto sua dose e desabafou:
- É isso, parente. Uma vez eu, Dário, Vivi, Nilson, Alírio, Alex, Clóvis Neves fomos naquele pedaço morto do rio fazer uma pescaria de mergulho. Sabe o que encontramos lá, parente, sob o fundo turvo das águas?
- O quê? Apressei-me a perguntar.
- Um cemitério, cujas cruzes, algumas já tombadas, foram testemunhas do massacre relâmpago e criminoso feito à natureza.
- Parceiro – completei, eu – e total desrespeito às almas que se foram e aos seus parentes que devem chorar por seus mortos e santuário sagrado. Parceiro? Eles hão de pagar! Nosso Senhor está vendo este tipo de mutilação e suas conseqüências já está ai nos noticiários do mundo todo. 
Continuou o Udinor:
- Encontramos casas, caiçara para o gado, vasilhas, cheiro forte de metano, etc. E muito tronco de pau apodrecendo... Em certas épocas parasitas infestam os peixes, principalmente o tucunaré (vermes) que os dizimam e prejudicam a sobrevivência dos abnegados e irredutíveis ribeirinhos.
Ficamos alguns minutos em atroz silêncio e por fim comentei:
- Muita gente não sabe que esse tipo de mutilação da natureza ocorre com a construção de hidrelétricas: morte de todo tipo de seres vivos (animais, insetos e plantas).
- Tal perversidade acontecerá em Belo Monte e, posteriormente, no rio Tapajós. Não adiantam as promessas da tecnológica de ponta, haverá, sim, grande impacto ambiental. Tais empreendimentos são nocivos à preservação da natureza e à continuidade da vida, em todos os seus sentidos, principalmente ao homem!
Voltamos daquele lugar remoto - onde as águas do Curuá-Una outrora se esvaíam intrépidas e cristalinas, agora, paradas e desoladas por léguas e léguas, sufocando sob seu peso a história milenar de uma floresta, antes bela exuberante – revoltados com a irresponsabilidade dos empreendedores capitalistas, que querem toda riqueza para si, à custa de vidas, tal como o vêm fazendo por toda a história humana.
- Parente, disse o Udinor, de hoje em diante pode escrever, serei um soldado ou mesmo um guerrilheiro que irei empunhar armas para defender das garras dos predadores capitalistas o último santuário intocado que existe no mundo... A nossa Amazônia, então, guerra aos projetos Belo Monte e Rio Tapajós. Vamos resistir!  

26 de fevereiro de 2011

Amor virtual


Amor virtual

Cá estou solitário
Em frente à tela do meu micro,
Rebuscando no túnel virtual
Formas de apreendê-la
Para sentir-me um ser normal...

Posso oferecer-lhe buquês de flores
De matizes tantas,
Sob a rama de uma árvore do campo
E transar uma intimidade indescritível,
Repetível, insaciável, desmedida...

Posso namorá-la numa praça
Medieval, e vê-la jogar
Sementes às aves
E passar meu braço
Em volta das suas curvas
Num abraço demorado
Ou beijos apaixonados...

Está na mente a felicidade...
Esta cabana na encosta da
Serra serve-me bem...
Tem uma filete d’água
Que corre das escarpas
E jorra alegria às minhas
Magoas no banheiro
Lá no meio do açaizal...

Quando a saudade aperta
Abro novamente a tela
Do meu micro
E lá está ela
Deslizando na neve
Num balé de fadas
Com seu véu transparente
Que me faz transpirar...

A minha amada é pura e bela,
Digamos uma donzela
Fiel que se doa, que responde
Às minhas carícias
Com toda fúria de um vulcão.

Por que não amá-la
E domá-la e dominá-la,
E acalmá-la da sofreguidão?
                                       
Paulo Paixão

25 de fevereiro de 2011

Cerceando a Côrte!

Com a devida licença implícita da Perereca devo reproduzir seu (e nosso) desabafo à distancia que os juízes de Direito se conduzem em relação aos mais comuns.
Quando é o caso de uma reportagem de Lúcio Flávio Pinto, o melhor repórter investigativo do País, que mantém o Jornal Pessoal, sem necessitar de publicidade paga de quem quer que seja, todos temos que desconfiar de tendencia sócio-financeira implícita.
Bom, sem mais delongas leiam o que a Perereca da Vizinha nos diz sobre este caso:
São CNJ precisa baixar com urgência no Estado do Pará.
Só assim, quem sabe, nossos doutos magistrados, os meritíssimos muito bem remunerados com dinheiro público, vão parar de burlar as leis que deveriam defender.
Juízes são cidadãos togados. Mas, em última análise, apenas e tão somente cidadãos.
Não estão acima do bem e do mal. Não integram uma casta de “intocáveis”. Não podem se movimentar para além dos limites impostos a todo e qualquer cidadão.
Pelo contrário: até pela nobre função em que estão investidos, têm é de estar entre os primeiros, na linha de frente, na defesa do Estado Democrático de Direito.
Juízes não têm de ser “amiguinhos” de alguém, ou candidatos a mister ou miss simpatia. E, muito menos, podem se acachapar.
Têm é de cumprir e fazer cumprir a Lei. E se não têm noção da Dignidade do cargo que ocupam, não servem, definitivamente, para tão extraordinária função.
A ameaça que paira sobre o jornalista Lúcio Flávio Pinto merece o repúdio de toda a sociedade paraense.
E, mais ainda, a firme decisão de impedir que se efetive tamanha ilegalidade, tamanho desrespeito à Liberdade de Expressão.
Se o juiz Antonio Carlos Almeida Campelo, da Justiça Federal do Pará, pretende pisotear a Constituição, que o faça no quintal de sua casa.
Mas que não imagine, nem por um segundo, como seu quintal, a sociedade paraense.
Foi-se o tempo em que os doutos magistrados podiam simplesmente agir como se ainda vivêssemos sob o Antigo Regime.
O avanço da Democracia impõe que se comportem como cidadãos, nos limites impostos a todos os cidadãos.
E se não aceitam isso; se acham que é “um pouco demais” exigir que respeitem os demais cidadãos, que sejam, então, apeados do cargo que ocupam.
O que este blog propõe é um abaixo-assinado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em defesa do jornalista Lúcio Flávio Pinto e da Liberdade de Expressão.
Literalmente, um pedido de socorro ao CNJ contra o comportamento destemperado – para dizer o mínimo! - do juiz Antonio Carlos Almeida Campelo, que abusa de sua condição ao ameaçar de prisão e de multa impagável um jornalista que simplesmente cumpriu a obrigação de noticiar.
As informações recebidas por este blog acerca do juiz Antonio Carlos Almeida Campelo são gravíssimas.
Em primeiro lugar, ele teria proibido a divulgação de fatos processuais sem qualquer pedido das partes – quer dizer, por iniciativa própria, como se tivesse algum interesse pessoal nesse caso.
E mais: esse “segredo de justiça” que ele utiliza para ameaçar Lúcio Flávio Pinto seria posterior à audiência noticiada. E tão recente, que nem sequer constaria no site do tribunal.
Ademais, desde quando jornalista está submetido a “segredo de justiça”? E “segredo de justiça” em um processo que envolve suposto desvio de recursos públicos e, portanto, o interesse público.
E a liberdade de imprensa, que é garantida pela Constituição, onde é que fica?
E a liberdade de expressão, que é cláusula pétrea da Constituição, onde é que fica?
Será que tudo isso pode ser simplesmente jogado no lixo por um juiz que, de forma repugnante, até pede licença ao acusado para tratá-lo por “doutor”?
Um juiz assim não pode continuar na condução desse processo. E, muito menos, no exercício da Magistratura.
Temos de por um fim nesse tipo de coisa. Chega! Basta!
Temos de ter uma atitude firme diante desses juízes que não honram a confiança que lhes foi CONCEDIDA pela sociedade.
CNJ no cidadão Antonio Carlos Almeida Campelo! CNJ em todos os magistrados que se comportem assim!
Iniciemos aqui uma faxina no Judiciário paraense.
Pois, quem sabe, a alvejar tão emporcalhadas togas é que a gente consiga sair dessa condição miserável, medieval, a que alguns ainda insistem a nos relegar.
FUUUUUUUUIIIIIIIIIIII!!!!!!!

Carnaval


 PROGRAMAÇÃO DO CARNAITUBA 2011

ORGANIZAÇÃO: DIRETORIA DE CULTURA
APOIO: COMISSÃO DE CARNAVALESCOS E BLOCOS DE ITAITUBA         
REALIZAÇÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAITUBA

PROGRAMAÇÃO:
DIA 04/03- SABADO- CONCURSO DE RAINHA DAS RAINHAS DO CARNAVAL E FANTASIAS LUXO.
LOCAL: ARENA CLUBE
INICÍO: 22:00 HS
DIA 05/03- DOMINGO- APRESENTAÇÃO DO PRIMEIRO GRUPO DE BLOCOS NA AVENIDA
LOCAL: ORLA DA CIDADE
ONÍCIO: 21:00 HS
DIA: 06/03- SEGUNDA FEIRA- APRESENTAÇÃO DO SEGUNDO GRUPO DE BLOCOS NA AVENIDA
LOCAL: ORLA DA CIDADE
INÍCIO: 21:00 HS
DIA 07/03- TERÇA FEIRA- CONCURSO PIRANHA DO CARNAVAL
LOCAL: ORLA DA CIDADE
INICIO: 21:00

24 de fevereiro de 2011

Arrumando os Eixos

As diretorias da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) estão oficializando os programas e projetos definidos durante o 1º Seminário Interno da Sema ( 1º SIS) no último final de semana, 19 e 20 de fevereiro. Conduzido pela titular do órgão Teresa Cativo, a reunião teve o objetivo de planejar as atividades da Secretaria de 2011 a 2012, incluindo as despesas e gastos.
O fortalecimento institucional do órgão foi o primeiro eixo de trabalho definido, que estabelece os programas de Readequação do Arcabouço Legal e dos Procedimentos Internos da Secretaria; Reestruturação Física e Funcional; Valorização do Servidor; e prevê também um programa de Comunicação e Marketing.
No eixo de educação ambiental, ficaram definidos os programas de Gestão e Educação Ambiental para os Municípios; Divulgação e Informação em Gestão Ambiental; e Responsabilidade Socioambiental na relação empresa-sociedade. Dentro do 4º eixo, que é o fortalecimento do controle ambiental, está previsto o programa de Fortalecimento do Licenciamento, Fiscalização e Monitoramento Ambiental.
Nesse trabalho, está previsto a reestruturação, readequação, implantação ou fortalecimento de diversas áreas em que a Sema atua, a exemplo da gestão florestal, de recursos hídricos, serviços ambientais, mudanças climáticas, descentralização e desconcentração da gestão ambiental, geotecnologias, proteção e ordenamento ambiental, e investimento social produtivo (em que populações tradicionais são atendidas).
De acordo com a secretária Teresa Cativo, fazer o planejamento do órgão é uma forma de estabelecer prioridades e dar transparência às atividades da Secretaria. “Tenho que trabalhar com capacitação dos setores, começando pelo atendimento [protocolo da instituição], até o setor de licenciamento e de gestão ambiental, no contexto do grande programa de desenvolvimento florestal do Estado”, garantiu. 

Luciana Almeida
Ascom Sema

Piratão

Uma rádio comunitária, a serviço do prefeito de Jacareacanga está sendo denunciada como ilegal à ANATEL.
A denúncia será acompanhada de gravações realizadas recentemente.
Assim, o responsável vai parar de fazer propaganda ilegal.

Entrave


O juiz Antônio Carlos Almeida Campelo, titular da 4ª Vara Cível Federal do Pará, enviou uma intimação ao jornalista Lúcio Flávio Pinto, para que deixe de publicar informações sobre o processo contra os principais executivos do Grupo O Liberal, responsável por vários veículos de comunicação no estado.  A intimação diz que o jornalista será preso em flagrante caso publique qualquer informação sobre o processo, que corre em segredo de Justiça. Além disso, caso desacate a ordem, também terá que pagar R$ 200 mil de multa.

Lúcio Flávio mantém o Jornal Pessoal há 23 anos. O jornalista publicou uma matéria sobre o caso dos empresários Romulo Maiorana Júnior e Ronaldo Maiorana no início deste mês. Os executivos do grupo de mídia foram denunciados pelo Ministério Público Federal por crime contra o sistema financeiro nacional, pelo uso de fraude, para a obtenção de recursos dos incentivos fiscais da Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia).
Jornalista alega direito de informar“Pretendo recorrer para revogar essa decisão, que é abusiva. A minha matéria defende o interesse do povo que teve o dinheiro desviado. Quando existe um caso de conflito entre a privacidade e o direito da sociedade, vale o direito da população de saber o que está acontecendo”, afirmou Lúcio Flávio.

Segundo ele, o juiz tomou a decisão por “conta própria”, já que os autos não estavam conclusos. “Ele tomou a decisão por conta própria, mas não provocado pelas partes do processo”, disse.

A reportagem ainda não conseguiu contato com o juiz da 4ª Vara Cível Federal do Pará.

23 de fevereiro de 2011

Elegia ao Uso dos Sacos Plásticos

Greenpeace
http://olhardigital.uol.com.br/uploads/acervo_imagens/2011/02/20110221054943.jpg
Uma pesquisa encomendada pelo governo da Inglaterra e que ainda não foi divulgada oficialmente no mercado, sugere que os sacos plásticos podem ser muito menos prejudiciais ao meio ambiente do que se defende hoje. Um resumo do relatório, divulgado pelo jornal The Independent, no último domingo (20/2), aponta que as sacolas de polietileno de alta densidade – utilizadas em supermercados, padarias, entre outros – causam até 200 vezes menos danos à natureza do que as sacolas retornáveis de algodão, defendidas como uma alternativa ‘verde’.

O estudo aponta também que os sacos plásticos emitem menos do que um terço do CO2 equivalente - medida para analisar os gases de efeito estufa nocivos à atmosfera - necessário para produzir sacolas de papel.


O relatório sugere que uma sacola plástica de polietileno contribui com a emissão do equivalente a 1,57 kg de gás carbônico na atmosfera, caindo para 1,4 kg se o saco for reutilizado apenas uma vez. No caso das sacolas de algodão, por sua vez, elas precisariam ser reutilizadas 171 vezes para emitir um nível similar de CO2 equivalente das versões de plástico usadas apenas uma vez.

Ou seja, para serem realmente sustentáveis, as sacolas recicláveis de algodão precisariam ser reutilizadas mais de  171 vezes pelos usuários, caso contrário, estariam contribuindo para uma emissão maior de gases de efeito estufa na atmosfera do que as versões em plástico. 


No caso dos sacos de papel, eles precisariam ser reutilizados quatro vezes para emitir 1,38 kg de CO2 equivalente.


Segundo o site, o relatório conclusivo ainda está sendo revisado, mas  a Agência Europeia do Meio Ambiente prometeu que irá publicá-lo em breve. Vale destacar que o estudo não deixa claro o impacto que o descarte inadequado das sacolas plásticas tem no meio ambiente.

Ô, estupidez adequadamente finaciada pelos fabricantes de sacolas plásticas!


A justiça será feita, podem crer!

 Texto de Paulo Paixão:
 

                                         Todos nós brasileiros, particularmente os paraenses, estamos estupefatos e muito decepcionados com o crime cometido pelo senhor Amazonino Mendes, prefeito de Manaus-AM, juntamente com seus asseclas, por terem tratado com preconceito desmedido e violência à honra e dignidade irmãos nossos, pequeninos, que merecem toda nossa proteção e carinho, eis que são milhões em todo este país, que vivem num estado de penúria e que ora, graças a Deus, estão sendo vistos por nossos Governantes maiores, exceto por vis oportunistas como esse que despreza, com desdém e arrogância, seus eleitores desassistidos.
                                          Rogo aos nossos políticos conscientes e sensíveis, ao Ministério Público, a todos os seus eleitores e toda Instituição brasileira, que dêem a justa resposta a esse político de baixa índole, pois, mexer com um destes pequeninos é mexer com o brio de cada brasileiro patriota,
                                           Senhor Amazonino, não estamos mais vivendo sob o regime de exceção, a ditadura, e muito menos suportamos brasileiros avessos empunhando bandeira nazista, vivenciamos a plenitude da democracia, onde a liberdade e o respeito à dignidade de cada brasileiro é um dever sagrado, defendido a todo custo por este gigante, idolatrado, adorado país que é o nosso Brasil!
                                            Brasileiros, a justiça será feita, não se entristeçam, apenas repudiem e se penalizem se for possível, desse “senhor do mal” que tanto nos envergonha. Somos irmãos unidos, fraternos e mexeu com um de nós, mexe com todos. Esse criminoso pagará caro por sua arrogância!

21 de fevereiro de 2011

Late, Cachorro Velho!

O prefeito de Manaus, Amazonino Mendes, com a petulância que é peculiar a todos os que não tem argumento agrediu com palavras e atitudes impróprias uma moradora de área de risco e mostrou a indignidade de não ser um verdadeiro amazonense.
Pior ainda foi o conserto do seu porta-voz, que identificou os migrantes do Norte e Nordeste como pessoas de baixa escolaridade.
Esquecem os abestados que grande parte dos cargos de alto escalão são dominados por paraenses da gema. Isto sim demonstra o quanto a escolaridade é privilégio nosso.
Exemplos são enormes, a começar pelo próprio ex-governador e atual senador, Eduardo Braga; pelo juiz da TRT Deodoro Tavares; pelo deputado estadual Sinésio Campos, líder do Governo na Assembléia Legislativa e por uma imensidão de paraenses que labutam na área mineral, empresarial, jurídica e de lazer.
É claro que exitem também os de baixa escolaridade, mas estes deveriam ser entendidos como especiais, por não terem tido a oportunidade de frequentar salas de aula e ter o mesmo sucesso que outros.

Late, cachorro velho, que não serás ouvido em próximos pleitos!

20 de fevereiro de 2011

O Buraco no lugar certo

O advogado Ismael Moraes, 41 anos, marajoara de nascimento, possui aspectos aparentemente paradoxais: advoga, ao mesmo tempo, para diversos sindicatos de trabalhadores rurais e para o emblemático Sindicato dos Produtores Rurais de Paragominas. Ele defende madeireiros e pecuaristas, travando durante anos guerras judiciais contra o Ibama. Moraes também está à frente da defesa judicial do município de Paragominas no projeto “Município Verde e pelo Desmatamento Zero”, hoje uma referência do próprio Ministério Público Federal. Como conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil no Pará (OAB-PA), é duro nas punições a advogados desleais. Ao mesmo tempo, é um intransigente defensor das prerrogativas profissionais da advocacia.
Desde o ano de 2003, quando o grupo político da ex-governadora Ana Júlia Carepa, que era então senadora, assumiu o controle dos sistemas ambientais no Pará, ele faz sistemáticas denúncias de corrupção contra ela e seu ex-marido, Marcílio Monteiro, acusando-os de captação de propina através do Ibama e, depois, da Sema -quando suas declarações tiveram repercussão nacional através da revista “Veja”.
Durante os últimos quatro anos, Ismael Moraes protagonizou várias ações públicas contra atos do governo de então, como a que denunciou o abandono dos pacientes de câncer do Hospital Ophir Loyola e a que desfez o milionário acordo eleitoral entre a ex-governadora e o prefeito Duciomar Costa.
Diante das revelações produzidas a partir das investigações da Polícia Federal, publicadas com exclusividade pelo DIÁRIO, corroborando o que o advogado diz desde o ano de 2003, Moraes diz que o que está acontecendo hoje é apenas parte da “podridão intestinal” de “um corpo que já estava em decomposição por fora”, referindo-se ao governo Ana Júlia, que classifica como “desastroso”. 



Ave Maria


Ave Maria

Adormeci...
Vi a pradaria verdejante
Antes que o sol se fosse...
Lá sobre o monte
Talvez não fosse uma asa
Voando...mas, miríade, fosse.

Quanto mais olhava,
Mais via asas planando...
E uma luz dourada,
Sendo louvada por
Infinitas vozes
Que diziam:
Bendito és entre os homens!
Bendito és entre os homens!

Sem que me sentisse
Vi-me, também, voando,
Os prados contemplando...
Surpreendi-me cantando
E também louvando:
Bendito és entre os homens!
Bendito és entre os homens!

Uma onda nos levava
Sob a voz angelical que cantava:
- Ave Maria, gratia plena...
- Ave Maria, gratia plena...

Não, não eram asas.
Eram almas do bem
Que passeavam no céu
Levados pelo Manto de Maria.
Que felizes apreciavam o belo,
O amor e a paz...
- Ave Maria, gratia plena...
- Ave Maria, gratia plena...


                                      Paulo Paixão

PS: Leia este poema escutando Ave Maria, de André Rieu aqui.

19 de fevereiro de 2011

Bolso Furado

O impacto do novo mínimo de R$ 545, na economia dos municípios paraenses pode chegar a 7%.
Por causa desse reajuste, os municípios podem ter dificuldades de pagar a folha salarial de quase 100 mil servidores. De acordo com o diretor financeiro da Federação dos Municípios do Pará (Famep), Iran Lima, os salários serão priorizados, mas algumas áreas ficarão descobertas de auxílio. “Saúde e segurança pública poderão ficar desassistidas”, disse.
Lima também comentou que as dificuldades são alavancadas por causa de iniciativas do governo federal que incentivam a isenção de alguns impostos importantes para a arrecadação municipal. “A isenção do Imposto Sobre Produto Industrializado (IPI) afeta a base de cálculos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), o que acaba prejudicando no valor final”.
O FPM de 2010 foi bem menor do que o de 2009, chegando apenas a 2,5%. Segundo a Famep, esse valor ficou em baixa por causa da crise econômica. “A crise foi em 2009. Então 2010 teve um repasse do governo muito baixo”. A arrecadação dos municípios é baseada no IPI e no imposto de renda, além do apoio financeiro dado pelo governo.
Mas ainda assim existe uma expectativa de que a receita aumente e assim a arrecadação do município também. Para Lima essa mudança pode acontecer a partir do aquecimento da economia. “Os produtos chamados ‘linha branca’ devem voltar a ter o seu IPI no valor normal e com isso os municípios passarão a arrecadar mais”.
O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) que é repassado para os municípios também contribui para o aumento na arrecadação.
(Diário do Pará)

Êxtase Mineral

Rochas Ornamentais expostas na Vitória Stone Fair


Vitória Stone Fair 2011 - Mármores - 17 de fevereiro
foto: Letícia Cardoso
Mármore copacabana, de Minas Gerais, e Pure White Marble, extraído no Vietnã

A Vitória Stone Fair - Feira Internacional do Mármore e Granito - 
é um dos eventos mais esperados do mundo para empresários do setor. 
É na feira que eles têm a grande oportunidade de apresentar ao mercado as mais recentes descobertas de rochas ornamentais. Nesta 31ª edição há pedras que saíram diretamente das jazidas para o estande. É o caso do mármore Copacabana. 
Os donos da empresa de Cachoeiro de Itapemirim ainda nem fizeram o levantamento de quanto a rocha será comercializada.

O mármore Copacabana foi descoberto em uma pedreira de Itaobim, em Minas Gerais. Ele é uma das pedras mais admiradas da feira. Está novinho, a empresa extraiu apenas um bloco do mineral. Outra que enche os olhos e a imaginação das pessoas é o puro mármore branco, extraído de pedreiras do Vietnã. O metro quadro dessa pedra não sai por menos de R$ 420. Só para comparação, o metro de um mármore comum custa em torno de R$ 25 a R$ 30.

A Feira encerrou nesta sexta-feira.

Calculadora Enganosa

Com informações do Setorial News:
O Brasil possui 68,6 milhões de unidades consumidoras de energia elétrica, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). 
O número é 39% maior que o apurado em estatística feita em 2001, quando o país possuía 49,35 milhões de unidades consumidoras. Os dados constam do Sistema de Apoio à Decisão (SAD), da Agência.
As ligações rurais completam 3,91 milhões, com 4,65% do consumo, sem contar as unidades consumidoras rurais destinadas à aquicultura, com 105 mil ligações, e rurais irrigantes, com outras 53 mil.
O poder público soma 517,8 mil unidades; a iluminação pública, 76,5 mil ligações; o serviço público, 69,15 mil; e as unidades consideradas de consumo próprio, 8,4 mil.
Ainda não somaram as ligações rurais nos municípios desta banda do Pará, que continuam fazendo piquetes para ter o mesmo privilégio dos outros municípios deste país desigual.

18 de fevereiro de 2011

Pré

Ainda há pouco foi realizada a pré-estréia do acontecimento mais badalado do ano em Itaituba: a Missa de Ação de Graças de Ana Clara, filha do prefeito Valmir Climaco de Aguiar, na Matriz de Sant'Anna.

Amanhã acontece a recepção na sede da AABB.

Peninha

O vereador Luis Fernando "Peninha" Sadeck dos Santos está convalescendo de uma cirurgia realizada em Santarém para retirada de um cisto aquoso no abdomen.
Segundo boletim médico, o mesmo passa bem e deve retornar às suas atividades em breve.

Pra uns "Benza-te" pra outros "Amém"!

Pesar

Alfonso Jimenez, o fotógrafo peruano radicado há décadas em Santarém faleceu vitimado por dengue hemorrágica.
Nossos votos de pesar ao mestre das lentes.

Afrouxando...

Marta Salomon, de O Estado de S.Paulo

Um pacote de decretos promoverá o que vem sendo entendido no governo como "choque de gestão" na área de licenciamento ambiental, com regras mais simples e redução de prazos e custos. Os decretos vão fixar novas normas por setores, e os primeiros a passarem por reforma serão petróleo, rodovias, portos e linhas de transmissão de energia.

Em algumas obras, como o asfaltamento de rodovias, não serão mais exigidas licenças, mas uma simples autorização do órgão ambiental. Essa regra não atinge, porém, rodovias na Amazônia, como a polêmica BR-319, localizada numa área bastante preservada da floresta.

Listada entre as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a rodovia enfrenta resistências na área ambiental pelo risco de aumentar o desmatamento na Amazônia. Sinais de aumento do ritmo das motosserras nas proximidades da BR-317 reforçam essas resistências.

Além de acelerar a liberação de licenças com regras mais claras e menos burocracia, o pacote de decretos deverá reduzir o custo de exigências do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O custo médio dessas exigências, que incluem até a urbanização e a instalação de saneamento de cidades, é estimado entre 8% e 10% do preço total dos empreendimentos. Em alguns casos, supera 15%.

Atrasos. A área ambiental é alvo de críticas no governo por supostamente impor atrasos nos cronogramas de empreendimentos (grifo nosso). Mudanças nas regras vêm sendo negociadas desde o fim do governo Luiz Inácio Lula da Silva, mas a edição dos decretos pela presidente Dilma Rousseff é prevista apenas para depois do carnaval.

O licenciamento de hidrelétricas não passará por mudanças neste momento. Essa é uma das áreas mais complicadas na agenda do governo Dilma Rousseff.

O Plano Decenal de Energia prevê a construção de cinco grandes usinas em áreas de conservação ambiental no Pará. As hidrelétricas do Complexo Tapajós, com potência estimada em 10,5 mil MW (megawatts), quase uma Belo Monte, deverão alagar uma área de 1.980 km², 30% maior que a cidade de São Paulo.

Um dos decretos cujo texto já foi aprovado pelo Planalto acelera o licenciamento de linhas de transmissão de energia. O objetivo é impedir que a energia a ser gerada pela hidrelétrica de Jirau, no Rio Madeira (RO), por exemplo, não possa ser distribuída por atraso no licenciamento da linha de transmissão.

Na área de petróleo , o número de licenças - que hoje pode chegar a 12 para cada projeto - será reduzido. A intenção é facilitar a exploração do pré-sal, sem abrir mão de critérios de segurança dos empreendimentos, proporcionais ao impacto ambiental dos projetos.
Inicialmente publicado pelo Ambiente Acreano.

17 de fevereiro de 2011

Tiro Errado

A bala usada pelos "amigos da sociedade" contra Eduardo Azevedo teve um efeito bumerangue: excluindo algum pedófilo, outro larápio de fundos de partidos políticos, certo invejoso, aquele que, há décadas lhe pedia dinheiro pra gasolina e alguns gatos pingados de oposição, por unanimidade houve repúdio à armação feita para transformá-lo em demonstração de justiça, através de prisão arbitrária e ilegal.