Geologia e Ambiental

28 de setembro de 2011

TERFRON

O diretor-executivo da empresa Rio Turia Serviços Logísticos, Kleber Menezes fez a apresentação do Projeto TERFRON, na Câmara Municipal de Itaituba nesta manhã.
Esperava-se que, após a discussão entre o SINTEPP e vereadores, o local permanecesse lotado para ouvir as explicações do projeto, que beneficiará o município em geração de emprego e renda aos moradores. 
Mas parece que só interessa aos filiados deste Sindicato aquilo que vale no bolso hoje. 
O futuro só a Deus pertence.
Faz sentido.

Tumulto

O Plenário da Câmara Municipal se transformou, nesta manhã, em um cenário de discussões entre o vereador Peninha Sadekc e o SINTEPP, por conta da discussão do Plano de Cargos e Salários, que tramita naquela Casa.
De um lado, jogando pra platéia o Ronaldinho Gaúcho da Oposição - César Aguiar - e de outro, atuando como o cabeça de área da Situação - Renato, do Botafogo - o vereador Peninha.
O juiz da contenda só fazia sorrir da discussão ocorrida e não deu cartão amarelo pra ninguém.

Mestrado em Recursos Aquáticos Continentais

O Programa de Pós-Graduação em Recursos Aquáticos Continentais Amazônicos (PPG-RACAM), da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), divulgou o Edital do Processo de Seleção e Admissão 2012 para acesso ao mestrado. Coordenado pelo Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA), o PPG-RACAM tem uma área de concentração - Ciência e tecnologia das águas interiores amazônicas - e duas linhas de pesquisas: “Limnologia amazônica” e “Conservação e biodiversidade de recursos aquáticos amazônicos”.
São oferecidas 10 vagas, não havendo obrigatoriedade de preenchimento de sua totalidade. Podem inscrever-se graduados em Ciências Biológicas, Ecologia, Engenharia de Pesca, Engenharia de Aquicultura e áreas afins, em instituições reconhecidas pelo MEC. Será aceita também a inscrição de concluintes de curso de graduação, desde que haja a conclusão da graduação até a data de efetivação da matrícula.
A inscrição ocorrerá de 1º de novembro a  9 de dezembro de 2011, por meio eletrônico, através do e-mail pgracam@gmail.com, ou pessoalmente na Secretaria do Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA), no Campus Tapajós da UFOPA. Mais informações pelo telefone: (93) 2101-4944 (Secretaria do ICTA) e na seção “Pós-Graduação” do endereço eletrônico www.ufopa.edu.br

Comunicação/UFOPA

Nasceu o PSD!

Segundo os seus criadores, o PSD - Partido Social Democrata - não será "nem de centro, nem de esquerda, nem de direita" ou seja será mais um que estará ao lado do Poder Central.
Por isso os ministros do TSE nem escutaram as mais contundentes argumentações de que, principalmente, suas certidões eram incompletas e aprovaram seu registro.
Agora todos os descontentes poderão migrar para o PSD sem o risco de perderem mandatos.
A saída foi criada e o balaio de gatos vai encher rapidamente.

27 de setembro de 2011

Razões de Sobra por um Anônimo

De um comentarista anônimo:

A cada dia que passa, a cada debate que acontece sobre a emancipação das regiões sul, sudeste e oeste do Estado para a criação do Carajás e do Tapajós, novas informações surgem para fortalecer a proposta de divisão do Pará. E as mais importantes desmascaram as argumentações falaciosas de que o Pará vai perder com a divisão. Veja abaixo apenas seis das mais destacadas:

1. O Novo Pará ficará com a maior parte da nossa riqueza – O Produto Interno Bruto (PIB) do Pará, que é a soma total das riquezas produzidas pelo Estado, é de R$ 58,5 bilhões (Idesp/PIB 2008), e esse valor aumenta a cada ano. Com a criação dos dois novos Estados, o Novo Pará ficará com 56% dessa riqueza (R$ 32,7 bilhões). Só de recursos do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o principal imposto arrecadado pelo Estado, o Novo Pará ficará com 66% do valor atual – hoje, fica com 50%, pois os outros 16% são distribuídos entre os municípios do Tapajós e do Carajás;

2. O Novo Pará terá mais dinheiro para investimentos – Com a divisão, o Novo Pará receberá R$ 300 milhões a mais de recursos do ICMS, e esse valor será maior ano após ano. Belém ficará com a metade desse valor, cerca de R$ 150 milhões. Com esse dinheiro a mais, o Estado poderá, por exemplo, construir 12 mil casas populares do programa "Minha Casa, Minha Vida", ou asfaltar 1.150 quilômetros de rodovias estaduais, ou 600 centros de saúde em Belém e cidades do interior;

3. A governança do Pará será mais fácil – O território do Novo Pará será menor: apenas 218,7 mil/km² (hoje é de 1,2 milhão de km²), distribuídos em apenas 78 municípios (hoje são 144). Também a população será menor: apenas 4,8 milhões de pessoas (hoje são 7,6 milhões). Isso facilitará muito o trabalho de gestão do Novo Pará pelos governantes, pois as demandas serão menores e de regiões mais próximas da Capital;

4. Mais dinheiro para melhorar a vida dos paraenses – Com território reduzido, com população menor e mais dinheiro em caixa, o governo do Novo Pará poderá investir em obras de drenagem e pavimentação de vias urbanas e rodovias, de saúde e educação, de segurança e transporte público nos bairros da Capital e demais municípios. O povo sofrido das baixadas da região metropolitana de Belém, das regiões do Marajó, do Tocantins e do Salgado poderão ser mais bem atendidos pelo governo do Estado e pelas prefeituras;

5. O serviço público de saúde de Belém vai atender melhor – Com a criação do Tapajós, novos hospitais e outras unidades de saúde lá serão construídos, novos e melhores serviços serão implantados. Hoje, milhares de pacientes do Tapajós vêm a Belém em busca de atendimento e ajudam a superlotar os PSM's da 14 e do Guamá, o Hospital de Clínicas, o Ofir Loyola e centros de saúde dos bairros da Capital. Com o Tapajós, isso deixará de existir ou será minimizado, deixando as unidades de saúde locais para os moradores de Belém e Metropolitana, das regiões do Tocantins e do Marajó, de Castanhal e de Bragança. O atendimento poderá ser muito melhor;

6. O plebiscito é um processo democrático – Esta é a primeira vez que o povo do Pará é chamado para tomar uma decisão importante, decisão que pode mudar sua vida para melhor. Mas as velhas elites políticas de Belém não gostam disso. Tudo que pode ser melhor para o povo contraria a vontade dessas elites, acostumadas a mandar e decidir pelo povo, a se dar bem com o dinheiro público. Esta é uma rara oportunidade que têm os paraenses para mudar o rumo da sua própria história e construir um futuro melhor para esta e as gerações futuras.
PS: o Anônimo é José Maria Piteira, do blog www.blogdopiteira.blogspot.com, que recebe as minhas homenagens pelo belo texto.

26 de setembro de 2011

Tributo a Juvêncio Arruda

Esta crônica foi publicada em 2009, mas vale como se estivesse vivo pra mim. Assim vai a republicação:

Simples assim: Juca!
Nunca conheci e não conhecerei alguém com o carisma do Juvêncio de Arruda.
Até a simplicidade de seu apelido é simples: Juca!

Quantos sabiam que o Juca faria 54 anos neste sábado (atualizando o Juca faria 56 anos nesta segunda-feira)?
Pois é. Neste dia sempre tomamos mais uma "gelada" e saboreamos algo especial na mesa.
Seria assim se ele estivesse vivo e saudável.
Até o sábado comemora o Juca!

Hoje eu vou fazer coisas que ele gostava demais: comer bem e beber uma cerveja. De preferência Brahma.
E como o Juca sabia apreciar a boa comida ou bebida.
Que o diga seu pessoal mais chegado (a família), que lavava os talheres e pratos de tarde, de noite, de madrugada quando ele provava tudo o que fazia. E ainda mandava dizer o que fazia aos seus leitores.

Só pra relembrar dele...

Lembra do Juca é lembrar do Quinta Emenda. Da Nova Déli. Da Presidente Vargas. Do Brasiliense. Do Quemzão. Do "ministro da educação" Ranulfo. Do Espaço Aberto. Do Botafogo. Do Beto Salomão. Da mídia política. Dos anônimos que fizeram a vida do Quinta Emenda. Dos jotas que permearam a sua vida (e eu entre eles).

Lembrar de sua família. Da admiração que sentia pelos pais, pelos tios e primos.
Mas sentia um especial sentimento por sua companheira. Além do amor.
A Marise. Ela sabe, mas nunca é demais dizer que nunca vi alguém ter os olhos iluminados quando falava de sua eterna namorada.
De seus rebentos. Do orgulho em falar deles e neles. Da preocupação com eles. Do conforto em estar com eles. E eles sentiam um orgulho enorme por esta figura ímpar, não é Lívia?

Nunca desejamos perder alguém a qual amamos, [porém] dentro do que nos foi apresentado, este foi o “melhor” fim. Sem dor, com tantos amores ao seu redor, carinhos. Foi feliz até o último minuto. Foi fiel a tudo que sempre pregou e acreditou. É amado e admirado por tantos quanto ele merecia [e soube como ele só retribuir tanto amor].

Da alegria que sentia quando recebia um telefonema de um de seus amigos. Que não eram poucos. Sempre com uma palavra de estímulo e uma observação perpiscaz sobre o assunto que estava em voga.

É, Juvêncio de Arruda... caro, como fazes falta!
Fica em paz, pois durante muitos momentos me destes paz.
E parabéns por tudo o que criastes: família, amigos, admiradores e o Quinta, é claro.
O Quinta está parado.
Com toda a razão, pois os causos, as crônicas e o modo de dizer era só do Juca.

23 de setembro de 2011

Em Festa

Desde ontem (5a. feira 22/09) o Distrito de Moraes Almeida está em plena ebulição.
Rodeio, churrascos e bailes estão animando o local na sua festa anual.
E vai se estender até domingo!

22 de setembro de 2011

Carreata do SIM

A partir de 16:00 horas, na Orla da Cidade de Itaituba todos deverão estar presentes para participar de uma carreata que irá marcar a inauguração do Comitê do SIM aos estados Tapajós e Carajás em Itaituba.
A presença de todos é indispensável!

Agilidade

Nesta quinta-feira (22) a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) dará o primeiro passo para simplificar os procedimentos ambientais no Pará. O licenciamento ambiental das atividades de silvicultura e agropecuária realizadas nos imóveis rurais ganhará rapidez, dinamizando a economia, promovendo o desenvolvimento sustentável e atraindo investimentos para o Estado.
O novo decreto estadual que prevê essas mudanças será assinado às 09h, no Teatro Maria Silvia Nunes, na Estação das Docas, em Belém. No evento serão assinadas ainda mensagens para encaminhamento à Assembleia Legislativa, com os projetos de lei de reestruturação da Sema; de instituição do Grupo de Trabalho para elaboração da Política Estadual de Manejo Florestal Comunitário e Familiar, sob a coordenação do Instituto de Desenvolvimento Florestal (Ideflor), e de criação do Instituto de Gestão de Águas e Mudanças Climáticas do Pará.
O decreto, que concretiza a meta de celeridade definida pelo Programa Municípios Verdes, implementado pelo governo estadual, permitirá que atividades de impacto local sejam delegadas aos órgãos ambientais municipais, por meio de convênio. Mas, para isso, será necessário que os municípios estruturem seus órgãos ambientais, a fim de que tenham condições de assumir o papel de licenciadores. Na solenidade também serão assinados os primeiros contratos de concessão de manejo florestal em áreas públicas estaduais.
Essa série de ações, que teve a consultoria do ex-ministro do Meio Ambiente, José Carlos Carvalho, visa o fortalecimento e a modernização do sistema estadual de meio ambiente.
Ascom/Sema

21 de setembro de 2011

Festival do Tucunaré

Neste fim de semana, em Brasília Legal será realizado o I Festival do Tucunaré.

Promovido pela Prefeitura de Aveiro, o Festival promete ser dos mais concorridos em público e atrações: Daniel Assayag, Mauro Jegue e barcos fretados estarão de prontidão para dar um tom melodioso na localidade.

Processo Seletivo para Indígenas 2012

A Comissão de Elaboração do Processo Seletivo Indígena 2012, da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), realiza nos dias 26 e 27 de setembro de 2011, no Amazônia Boulevard (Av. Mendonça Furtado, 2946, bairro de Fátima), em Santarém (PA), o Encontro Preparatório do Processo Seletivo Especial para Indígenas 2012. Destinado a estudantes, lideranças e membros de comunidades indígenas, o evento tem por objetivo definir diretrizes e planejar o processo seletivo especial para indígenas.
O encontro começa na segunda-feira, dia 26, às 8h30, com a apresentação dos representantes da Pró-Reitoria de Ensino (PROEN), da Comissão do Processo Seletivo Indígena e do Instituto de Ciências da Sociedade (ICS). Em seguida haverá a apresentação da dinâmica de discussões, das temáticas e organização dos grupos de trabalho: GT1 Acesso e Permanência; GT2 Ensino Superior na UFOPA; GT3 Aldeia, Cidade e Universidade; e GT4 Projeto e Pertencimento. Na terça-feira, dia 27, ocorrerá a deliberação acerca das diretrizes de elaboração do Edital PSE Indígena 2012, com a aprovação do documento final em plenária.
Constituída para atuar no planejamento, coordenação, atendimento, avaliação e seleção do processo seletivo indígena 2012, a Comissão de Elaboração do Processo Seletivo Indígena é composta pelos professores Myrian Sá Leitão Barbosa (presidente), Carla Ramos (vice-presidente), Luciana Gonçalves de Carvalho, Bruno Alberto Paracampo Miléo e Aguinaldo Rodrigues Gomes; e pelos técnicos administrativos Ângela Rocha dos Santos e Haroldo César Sousa de Andrade, ambos da PROEN.

FONTE: Maria Lúcia Morais – Comunicação/UFOPA

20 de setembro de 2011

A Farsa do NÃO

Dentro de poucos dias estaremos votando um tema polemico no Pará: a emancipação ou não das regiões do Tapajós e Carajás.
Muitos dos negativistas já publicaram sobre a proposição de que todos deveriam votar NÃO aos estados Tapajós e Carajás.
As propostas sempre se referem ao interesse de "alienígenas" (como se todos os paraenses tivessemm nascidos integralmente e exclusivamente no Pará), às inadequações de políticos, criações de cargos públicos e outras situações que exigem esclarecimento imediato.
Assim vejamos:
  1. Alienígenas - serão todos os paraenses nascidos no Pará? Então porquê dar título honorífico de Cidadão Paraense anualmente pela Assembléia Legislativa? Não teremos nenhuma ascendencia de outro território mundial? E qual o interesse despertado por esta exclusividade de cidadania? Respostas que os "do contra" não tem.
  2. Políticos inadequados - Ora, qual político não tem a pecha de aproveitador (para ser bem educado)? Nós, os eleitores somos os responsáveis pela escolha nas urnas. E se escolhemos os piores deveremos refazer os critérios utilizados e colocar nestes cargos as pessoas competentes e não os inadequados.
  3. Gigantismo - O Pará vai ficar menor? Sim, em área vai ficar menor, mas vai crescer muito mais em arrecadação, pois será um estado que vai tratar a matéria prima mineral e vegetal que é tirada do solo e subsolo do Tapajós e do Carajás, nas usinas de Barcarena, Icoaraci, Marituba, Ananindeua, Capanema e outros muncipios próximos. Então deixem-nos crescer também!
  4. Unidades de Conservação - Ora, ora sempre haverá as UC's na banda rica do Pará atual. Basta saber cuidar delas com o carinho que não dispensam por aqui.
Enfim, se somos a banda podre do estado deixem-nos seguir nosso destino: crescer e multiplicar-nos junto com vocês.
Vote SIM!