Geologia e Ambiental

27 de abril de 2010

O Ciclo

Da Amazonia:
O segundo ciclo de exploração de ouro em Serra Pelada, maior garimpo a céu aberto do mundo nos anos 80, está prestes a começar.  A empresa canadense Colossus descobriu ali um veio de 50 toneladas de minério, sendo 33 toneladas de ouro, 6,7 de platina e 10,6 de paládio.  Só o ouro vale R$ 2,28 bilhões.
Desta vez, a exploração será mecanizada.  Os canadenses formaram uma empresa junto com a maior cooperativa de garimpeiros de Serra Pelada.  A Colossus terá 75% do que for extraído e os garimpeiros, 25%.  Curionópolis, cidade onde está a mina, espera o presidente Lula no dia 7 para a outorga da lavra.  O Planalto ainda não confirmou a visita.


Da estrada que liga Marabá a Parauapebas, no sudeste paraense, dá para ver os sinais da construção de 30 barracos de 6 metros por 80 metros que estão sendo erguidos para abrigar 15 mil garimpeiros.  Há 700 ônibus contratados para trazer a Curionópolis, a cidade que prepara a festa, uma multidão de 40 mil homens em 7 de maio.  Nesse dia, a expectativa é que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva entregue à cooperativa de garimpeiros a concessão de lavra de uma área de 100 hectares.  Se isso ocorrer, será o início do segundo ciclo de exploração de ouro em Serra Pelada, o lugar que nos anos 80 ficou conhecido como o maior garimpo a céu aberto do mundo.
A empresa canadense Colossus pesquisou nos últimos três anos o solo de uma área muito próxima à famosa cava de Serra Pelada e descobriu ali um veio de 50 toneladas de minério.  Dessas, 33 toneladas são de ouro, 6,7 de platina e 10,6 de paládio.  Ninguém sabe exatamente quanto ouro foi extraído do imenso buraco onde 100 mil homens trabalharam em frenesi de 1979 a 1994, indo e vindo, num gigantesco formigueiro humano.  Números oficiais falam em algo próximo a 40 toneladas, naquela ocasião.  A mina que a Colossus pretende explorar agora significa R$ 2,28 bilhões - só em ouro.
O Planalto não confirma ainda a vinda do presidente Lula.  O Ministério das Minas e Energia também não bate o martelo sobre a presença do ministro Márcio Zimmermann.  Na verdade, técnicos do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) ainda analisam o processo para ver se está tudo certo, mas a direção da Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp), que detém a concessão da área, já prepara o palanque junto com a prefeitura de Curionópolis, da qual Serra Pelada é um distrito.  "Foi o senador Lobão quem conversou com a responsável pela agenda do presidente e está tudo confirmado", diz Gesse Simão de Melo, presidente da Coomigasp, a maior cooperativa da região, com cerca de 40 mil associados.  Ele se refere à ação do ex-ministro das Minas e Energia Edison Lobão.  "O senador gravou um DVD convidando os garimpeiros para a festa.  O DVD está no mundo, rodando para todo lugar", diz Melo.
A visita do presidente Lula seria para entregar a concessão de lavra à Serra Pelada Companhia de Desenvolvimento Mineral (SPE), empresa formada pela cooperativa de garimpeiros e a Colossus.  Vem sendo anunciada há muito tempo, mas continuamente adiada.  Os técnicos do DNPM se debruçam sobre os detalhes de um processo complicado que passa pelo recadastramento dos sócios da cooperativa e pagamento de tributos.  No outro front, o geólogo Heleno Costa, da Colossus Geologia e Participações, diz que o script foi cumprido: depois de comprovada a viabilidade econômica, era preciso ter o plano de exploração da jazida e finalmente a aprovação do Estudo de Impacto Ambiental.  Em 17 de abril, a Secretaria do Meio Ambiente do Pará liberou a licença de instalação (L.I.) que permite a exploração do garimpo de forma mecanizada.
Essa segunda fase de Serra Pelada começou em fevereiro de 2007, quando a Vale, dona de 10 mil hectares na região - onde explora ferro -, devolveu a concessão dos 100 hectares do antigo garimpo ao DNPM.  O órgão, por sua vez, passou a concessão à cooperativa de garimpeiros.  A Coomigasp recebeu um alvará de pesquisa com prazo de três anos para estudar a viabilidade econômica do local.
O ressurgimento de Serra Pelada não será mais por extração manual.  A mineração mecânica ocorrerá a 160 metros de profundidade.  A partir de uma rampa inclinada, com abertura de 4 metros de largura e 1,6 quilômetro de extensão, partirão galerias.  No projeto da Colossus, a previsão é de se criar 520 empregos diretos e 1.200 indiretos na fase de implantação e mais 350 durante a operação da mina.  A empresa prevê investir R$ 120 milhões nos oito anos de exploração da lavra subterrânea.
No desenho atual do consórcio, o dinheiro que virá do garimpo será dividido entre a Colossus, que ficará com 75%, e a Coomigasp, com 25%.  Essa divisão produziu muita polêmica entre os garimpeiros, que se distribuem entre oito cooperativas.  "O governo deveria evitar dar o que é nosso para os estrangeiros" diz Etevaldo Arantes, porta-voz do Movimento de Trabalhadores e Garimpeiros na Mineração (MTM), que se opõe ao projeto.  "Deveria dar o dinheiro para nós, para que os próprios garimpeiros possam financiar a exploração."
Costa, da Colossus, explica como foi feita a arquitetura do negócio.  Pela primeira proposta dos canadenses a Colossus tinha toda a responsabilidade pela pesquisa.  Investiria R$ 6 milhões e teria 51% na sociedade com os garimpeiros.  Mas se a pesquisa necessitasse de mais recursos, ambos teriam que investir outros R$ 12 milhões ou as participações "seriam diluídas."
A Colossus investiu, sozinha, mais de R$ 20 milhões, segundo Costa.  Nesse meio tempo, a direção da cooperativa mudou e assumiu Melo.  Os novos diretores resolveram rever o contrato e alteraram alguns pontos.  A Coomigasp ficaria com 25% de participação mas negociou um prêmio: R$ 1.450,00 para cada quilo de ouro, platina ou paládio vendido.  O preço da platina hoje é superior ao do ouro; o do paládio, bem inferior.  "Se a retirada de paládio for superior ao que imaginamos, eles ganham", diz o geólogo.  Os canadenses ganham se sair mais platina.  As modificações contratuais foram aprovadas em assembleia de garimpeiros.
Se a outorga da concessão de lavra ocorrer em 7 de maio, como esperam os canadenses, a prefeitura de Curionópolis e a Coomigasp, "em junho a gente começa", diz Costa, que preside a SPE.  Ele calcula 1,5 ano para a fase de construção da rampa e galerias, alojamentos e escritório.  Para obter a licença de operação (L.O.) será preciso detalhar o plano ambiental do projeto.  "Fizemos 29 programas ambientais e sociais", diz o geólogo.  "O problema é que ali há um enorme passivo ambiental."
Na vila de Serra Pelada vivem cerca de seis mil pessoas.  Muitos são antigos garimpeiros que nunca saíram de lá.  Todos acreditam que ainda há muito ouro ali.  Alguns garimpam no cascalho ou em buracos nas proximidades da famosa cava - hoje, um grande lago.  "Aqui era um monte, que os garimpeiros trouxeram nas costas", aponta Etevaldo Arantes.  Os garimpeiros parecem ter razão quanto à crença de estarem pisando em ouro.  "A tendência, quando se começa a abrir uma mina, é ela crescer", diz Costa, da Colossus.
Postar um comentário