Geologia e Ambiental

28 de novembro de 2014

Secas no Sudeste não tem relação científica com o desmatamento na Amazonia

Cabeça pensante - que não é da Globo - o meteorologista Luiz Carlos Baldicero Molion,  faz afirmação, no 42o Encontro Ruralista, em Belém/Pará, para calar a boca dos propagandistas que lutam pra "salvar a Amazônia":


A afirmação de que as secas da Região Sudeste estão sendo causadas pelo desmatamento da Amazônia é leviana, não tem base científica, pois não sobrevive a uma análise de dados climáticos, além de ser contrária ao bom senso. A anomalia climática pela qual São Paulo está passando é decorrente da variabilidade natural do clima e já ocorreu, até com intensidade maior, no passado.
O pesquisador é PhD em meteorologia pela Universidade de Wisconsin, professor do Instituto de Ciências Atmosféricas da UFAL e está há anos fazendo apresentações sobre o efeito estufa, onde diverge dos autores que propagam o mito do aquecimento global. Em uma apresentação feita em 2008 para a Cãmara dos Deputados, em Brasilia finalizou assim:
Reflexões sobre o propagado aquecimento global deixam evidente que o clima do planeta, sem exagero, é resultante de tudo o que ocorre no universo. Exemplificando, se a poeira densa de uma estrela que explodiu há 15 milhões de anos adentrasse o Sistema Solar, diminuiria a radiação solar incidente e resfriaria o planeta! O fato de o aquecimento observado entre 1977 e 1998 muito provavelmente ter sido causado pela variabilidade natural do clima não é um aval para o homem continuar a degradar o meio ambiente. Ao contrário, considerando que o aumento populacional é inevitável num futuro próximo, o bom senso sugere a adoção de políticas de conservação ambiental bem elaboradas e mudanças nos hábitos de consumo para que a humanidade possa sobreviver, ou seja, para que as gerações futuras possam dispor dos recursos naturais de que se dispõe atualmente.
Assim, antes de embarcar na "onda verde" é de bom tom ler sobre as divergências apresentadas por diversos estudiosos do assunto.
 
Postar um comentário