Geologia e Ambiental

16 de março de 2013

Se "bater" eu grito. E muito!

Do ucho.info:
Quando algum brasileiro, político ou não, ousa discordar do PT, não demora muito para alguém do partido surgir em cena e afirmar que é golpe das elites, do Judiciário e de parte da imprensa. Quando a discordância parte de um órgão como a Organização das Nações Unidas (ONU), que comprova numericamente a incompetência do partido, essa ousadia é chamada de injustiça.
Na quinta-feira (14), a ONU divulgou o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), em cujo ranking o Brasil permaneceu em 85º lugar. Foi o bastante para o governo acionar dois ministros, que foram incumbidos de justificar o injustificável. Algo como aplicar mais um drible na parcela incauta da opinião pública.



Ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello disse que “os dados brasileiros estão incorretos” e que “a avaliação é injusta com o Brasil”. A ministra não compreendeu que na ONU as pesquisas não são manipuladas, mas apenas constatam a realidade, sendo essa dura ou não.
A gritaria palaciana ganhou força com o fato de o Pnud ter desconsiderado em sua pesquisa 4,8 milhões de crianças, entre 5 e 6 anos, que já iniciaram sua atividade escolar, mas que ficaram de fora do relatório. Como a ONU não leva em conta a ampliação do ensino fundamental de oito para nove anos, o tempo de permanência de uma pessoa na escola estagnou em 14,2 anos, índice idêntico ao período entre 2000 e 2010.
Ministro da Educação apenas por arranjo partidário, o irrevogável Aloizio Mercadante tentou justificar, sem sucesso, o fracasso da pasta, que anteriormente foi comandada pelo maior especialista no assunto em toda a história brasileira, Fernando Haddad, de acordo com declaração de Lula.
“Se estamos tão bem no emprego, se distribuímos renda, se reduzimos de forma destacada internacionalmente a população de extrema pobreza, por que o indicador de IDH não reflete tudo isso que fizemos? Isso dá uma distorção brutal. A situação do Brasil é de estagnação quando houve uma inquestionável evolução”, disse Mercadante. Quem frauda a si mesmo, é o caso de Mercadante (clique e confira), não merece ser levado a sério quando tenta defender um governo indefensável.
Para provar que a ONU não se equivocou ao deixar o Brasil na mesma posição do ranking anterior, tomamos como base os dados de recente matéria publicada pelo jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul, estado que é governado pelo peremptório “companheiro” Tarso Genro. No território gaúcho, que sempre teve motivo para se orgulhar do baixo índice de analfabetismo, existem, segundo o ZH, 226 mil crianças fora da escola. Esse contingente é maior do que a população da quase maioria dos municípios sul-rio-grandenses. A situação é ainda pior porque 20% dos adolescentes gaúchos, entre 15 e 17 anos, não estudam, sendo que apenas 14% aprenderam o que deveriam na escola.
Que Aloizio Mercadante é soberbo e que no PT só há magnânimos todos sabem, mas é preciso que alguém com doses mínimas de bom senso explique ao ministro da Educação que miséria – material, intelectual ou social – não se extingue com decretos, anúncios pirotécnicos ou campanhas publicitárias milionárias.
Se o ministro tem dificuldade para compreender tal situação, que leia o livro “O Amanhã Começa Hoje”, de autoria do general Oswaldo Muniz Oliva, um militar extremamente inteligente que se especializou em planejamento estratégico ainda no tempo em que frequentava a caserna.
No citado livro, o general Oliva, que é pai de Mercadante, aborda o desenvolvimento a partir do planejamento estratégico. É possível que Mercadante desconheça esse fato e não tenha conseguido um exemplar do livro, que esgotou em seis meses, mas se for necessário o editor do ucho.info tem um na estante, presenteado pelo próprio general e com direito a dedicatória carinhosa.

Postar um comentário