15 de setembro de 2014

Morre Biboy Kabá!

Do Rastilho de Pólvora:
Anuncia-se com profundo pesar, a morte por causas naturais, do Cacique BIBOY KABÁ MUNDURUKU, que contava com 102 nos de idade, na manha deste dia (15) no Hospital Municipal de Jacareacanga. o grande guerreiro, padecia com os males da velhice, e viveu grandes momentos de sua vida rodeado de sua enorme prole na Aldeia Katõ do Rio Kabitutu.
 
O nome Biboy Kabá confunde-se com a evolução politica e econômica de Jacareacanga, já que o Grande Guerreiro Munduruku, contribuiu com a mão de obra mesmo que servil e barata com os ciclos econômicos do extrativismo (castanha, Cipós, Seivas) com a caça de peles de animais silvestres (Onça, gato, etc) e no universo politico, o Lider Munduruku, já àquela época da década de 50, foi um soldado oficioso, mesmo sem graduação da luta do herói regional Haroldo Coimbra Veloso na revolta que causou em Aragarças e Jacareacanga. Conforme reza informações de Mizael, neto de Biboy, acossado Haroldo Veloso valeu-se de informações de Biboy para embrenhar-se na floresta e manter-se isolado longe de seus captores.
 
A garantia sobre a delimitação, demarcação, homologação e regularização fundiária das Terras Indígenas Munduruku e Sai Cinza, além do brioso trabalho de grandes servidores da Funai, teve em seu bojo a liderança sobre os indígenas do comando preciso e necessário do valente Biboy Kabá.
 
Em um aspecto mais amplo, além da luta pela garantia da posse permanente das terras indígenas do alto Tapajós, teve em Biboy a principal liderança para lutar pela educação e saúde, comandando seu povo com inteligência e segurança.
 
O velho guerreiro, deixa como legado ao povo indígena, a historia de sua luta pelo cumprimento coletivo dos direitos assegurados a seu povo,  à população envolvente deixa perene a historia que dois povos mesmo separados culturalmente que falam línguas diferentes, podem sim viver como irmãos, se respeitando sempre.
  
Os restos mortais de Biboy Kabá se seguirem sua vontade e a cultura de seu povo, deverá repousar para sempre em uma cova dentro de sua casa, no local abaixo onde era armada sua rede, e na mesma cova enterrado consigo todos os seus pertences pessoais.

Nota do blogger:
Não há muito mais a falar sobre Biboy Kabá.
Conheci-o quando morei e trabalhei em Jacareacanga.
Respeitado como cidadão e como guerreiro munduruku deixa o legado de respeito.

Postar um comentário