Geologia e Ambiental

8 de março de 2010

Um velhinho. Por Paulo Paixão

 Por Paulo Paixão

Via o crepúsculo por sobre as águas.
Em mim as mágoas se liquefazem
E, quentes, rolam no meu rosto.
Sempre foi assim nos fins-de-tarde...

Ninguém mais o vê...
Só eu sentado neste banco da praça
Abandonado pela vida.

Outros passam apressados de carro,
De moto ou de bicicleta.
Os que passam a pé não
Me vêem porque ninguém tem
Tempo a perder!

Vejo os passarinhos em
Contínua revoada e com eles
Voam ao vento as toadas
Que me encantam por suas notas
Nostálgicas.
Mas só eu os ouço e os vejo.
Os transeuntes..., os esqueceram.

Um choro de emoção sempre
Nos faz bem.
E neste mundo moderno
Quem chora por uma flor,
Por um sorriso, por um animalzinho
Inocente, por uma santinha
No seu andor?
Postar um comentário