Geologia e Ambiental

27 de janeiro de 2014

Fiscal tem poucos, mas os amigos do rei/rainha...

Uma reportagem em O Globo mostra que só existem 3.200 agentes públicos para a fiscalização nos três principais órgãos de vigilância e proteção: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), Fundação Nacional do Índio (Funai) e Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio). Isso significa que cada fiscal é responsável por 579 km² — área equivalente à metade da cidade do Rio de Janeiro.
Uma outra reportagem no blog do Parsifal Pontes deslinda, através de reportagem da Veja que existe o absurdo:  "se somar os cargos de confiança de toda a estrutura orgânica da Federação brasileira (União, Estados e municípios), o camelo passa no buraco da agulha: presidente, governadores, prefeitos e membros do Poder Legislativo nomeiam livremente, segundo cálculos da OCDE, garimpados nas fontes do IBGE, cerca de 800 mil pessoas".Tem mais: o escritor e historiador Célio Turino, no artigo “Reduzir cargos de livre nomeação para melhorar a Gestão Pública”, aumenta a conta: segundo ele, se agregarmos à estrutura acima citada os cargos de livre nomeação nos partidos políticos, que são pagos com o erário através do fundo partidário (R$ 294 milhões em 2013), o contingente sobe para 1,5 milhão de pessoas. 

Traduzindo em miúdos: é melhor ser amigo do rei que ser servidor federal.
 
Postar um comentário