5 de fevereiro de 2013

Custos, Incertezas e Mineração



Em tempos de aumento dos custos e de demandas incertas, é imperativo às empresas de mineração que estabeleçam uma direção estratégica sólida e mantenham o curso em meio à alta volatilidade. É o que mostra a nova edição do relatório da Deloitte “As tendências para o setor de mineração”. O estudo sinaliza os principais temas que devem influenciar a indústria de mineração neste ano, apresentando estratégias para que as organizações superem os gargalos e vislumbrem um futuro mais seguro.
No quinto ano da publicação, o relatório da Deloitte mostra que uma onda cada vez maior de volatilidade – incluindo os preços das commodities em declínio, as pressões de custos, a crise econômica na zona do euro e da desaceleração econômica da China – levou algumas empresas a frear os projetos, enquanto outras têm buscado depósitos de minérios mais longínquos e ricos e os rendimentos mais elevados. Como também, a busca por ambientes geopolíticos e operacionais mais desafiadores.



“As empresas de mineração certamente estarão mais cautelosas em sua perspectiva de demanda e reavaliarão seus projetos, decisões e reorganização do capital. Lidar com uma situação desafiadora exige um nível sofisticado de capacidade analítica que muitas empresas de mineração estão aquém. É preciso repensar a dinâmica da indústria, mas continuar investindo”, avalia o sócio-líder da Deloitte para o atendimento às empresas de mineração no Brasil, Eduardo Raffaini.
As principais questões que o setor de mineração deverá enfrentar em 2013 e algumas respostas que podem ser adotadas: . Custos mais altos – Pelo segundo ano consecutivo, os custos elevados continuam sendo o principal desafio da indústria de mineração. A volatilidade da moeda e os custos operacionais elevados estão afetando decisões para produção contínua, a expansão e a dissociação de ações de empresas de commodities. Para manter os custos sob controle, as empresas devem identificar as principais fontes de custos, automatizar, melhorar a eficiência dos ativos com a análise, melhorar seu modelo operacional e racionalizar as iniciativas da cadeia de suprimentos.
Demanda incerta – A desaceleração do crescimento da China, combinada com a crescente distância entre seus dados oficiais de demanda global e a realidade vivida, afetou negativamente os preços das commodities e as decisões de investimento. Obstáculos regulatórios no Brasil também estão atrasando projetos. Mas, em longo prazo, a demanda continua otimista. Ao invés de parar a produção e correr o risco de uma incapacidade de atender a demanda futura, as empresas de mineração devem considerar a aplicação da “teoria dos jogos” para melhorar o cenário de planejamento, prevendo futuros movimentos, para orientar suas decisões de projetos de capital.
Desaceleração dos projetos de capital – Em um momento de margens apertadas e pressão contínua para pagar dividendos aos acionistas, embora os executivos de mineração estejam hesitantes para autorizar novos gastos de capital, o relatório sugere que as decisões se voltem mais para investimentos disciplinados através de medicas como a racionalização do projeto, melhor eficiência de capital, análise de dados e garantia de qualidade de entrega do projeto do que o congelamento em si.
Mais Fusões e aquisições – Como resultado do financiamento da dívida limitada, algumas empresas de mineração estão procurando ofertas para entrar preventivamente com parceiros de sua escolha através de fusões e aquisições. Os volumes de transações devem subir em 2013 e os investidores asiáticos serão os provedores de capital de desenvolvimento. Para melhorar as chances de sucesso, o relatório sugere que haja um planejamento do início ao fechamento da transação; conhecimento de possíveis parceiros, vendedores que procuram atrair capital de empresas estrangeiras, fundos soberanos de investimento; compreensão profundidade de locais, costumes, culturas e relações comerciais.
Nacionalismo de recursos – Os governos de todo o mundo estão a exercer várias formas de nacionalismo de recursos, a partir de privatização indústria mineira e expropriação de impostos, impostos extraordinários de recursos e controles de exportação, tornando mais difícil para as empresas de mineração de prever com precisão os cronogramas de produção, entender os perfis de risco de longo prazo ou desenvolver modelos para orientar a tomada de decisões ao longo do tempo. No Brasil, tem sido cada vez mais difícil obter licenças para a atividade. Mineiros precisam trabalhar para fortalecer suas relações com os governos nacionais, diversificar o seu mix de produto e área geográfica de foco, e demonstrar o valor da indústria para os governos locais e cidadãos.
Combate à corrupção – As empresas de mineração já estão adotando padrões de transparência globais para combater os riscos colocados por corrupção, mas eles vão precisar de práticas ainda mais responsáveis ??em face ao escrutínio regulatório elevado, tanto de si mesmos e de seus parceiros, fornecedores, prestadores de serviços, fornecedores, agentes e intermediários. Combate à corrupção requer a adoção de fortes práticas corporativas e procedimentos, inclusive de terceiros, de gestão de relacionamento, programas internos de conformidade e investigação.
Comportamento responsável – A responsabilidade social das empresas vai além de avaliações de impacto e agora requer atender as expectativas e demandas de organizações não governamentais (ONGs) e outras partes interessadas, e operam com níveis mais elevados de transparência e sustentabilidade. As empresas mineradoras terão de se comprometer com um nível mais elevado de comportamento responsável por incorporar a sustentabilidade em suas métricas internas, as suas metodologias de projetos de capital e suas negociações com as comunidades locais, governos, ONGs e órgãos reguladores.
Escassez de talentos – Enquanto a pressão imediata sobre a força de trabalho foi temporariamente aliviada em algumas jurisdições, como as empresas de mineração adiar projetos ou reduzir a produção, a iminente escassez de competências no longo prazo permanece crônica. Empresas de mineração devem abordar a escassez de competências, reforçando a sua equipe de habilidades, na reconversão profissional dos trabalhadores existentes para cumprir diferentes funções, patrocinando programas universitários e se engajar no planejamento da força de trabalho.
Segurança reforçada – Os perigos associados à mineração estão em ascensão, especialmente às empresas que se deslocam para regiões mais remotas e menos hospitaleiras. Para entender melhor os fatores que causam incidentes de segurança, as empresas de mineração devem implementar modelos e aplicar novas ferramentas analíticas e tecnologias para os processos existentes para melhorar a manutenção preventiva, identificar segmentos em situação de risco e melhorar os resultados de segurança.
Novas tecnologias – Apesar de terem disposição em inovar, muits empresas de mineração não conseguem alavancar a tecnologia de “back-end” tais como análise de dados ou integrando diferentes plataformas após uma fusão e aquisição. Para melhorar as operações e reduzir os custos, eles devem rever suas estratégias de TI e considerar investir em controladores lógicos programáveis ??(PLCs) de controle, supervisão e aquisição de dados (SCADA), sistemas de execução de manufatura (MES), sistemas de inteligência de negócios, análise de dados e sistemas de manufatura avançada.



Postar um comentário