Geologia e Ambiental

7 de junho de 2010

O perigo está nas metas da produção


Na Semana do Meio Ambiente, o governo lança, nesta segunda-feira, o Plano Agrícola e Pecuário 2010/2011 com um enfoque “verde”. O novo plano tem como princípio as metas de redução de emissões de carbono propostas na 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), realizada em Copenhague, na Dinamarca.

Entre os principais destaques do plano, dois são ligados à preservação dos recursos naturais. O primeiro, de recuperação de áreas degradadas, deve trazer cerca de R$ 1 bilhão em recursos para estimular a utilização dessas áreas, que em geral foram usadas na criação de gado, para uso sustentável da agricultura.

Os produtores rurais que quiserem acessar esses recursos terão taxas de juros de aproximadamente 6% ao ano e prazos de carência de até seis anos para começar a pagar. Entre as opções de financiamento estão a linha para plantio e produção de palma, matéria-prima para biocombustível, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, e outra para uso de tecnologias sustentáveis, como o plantio na palha e a produção integrada lavoura-pecuária-floresta.

O outro é o de estocagem de etanol, que visa a incentivar o uso do combustível “verde” pela frota de veículos brasileira. Para estimular a produção e evitar a volatilidade dos preços pagos pelos consumidores, o governo relança o programa com R$ 2,4 bilhões e taxas de juros de 9% ao ano.

Do ano passado para cá, após anos de discussões e brigas entre representantes de produtores rurais e ambientalistas, inclusive dentro do governo, as duas partes têm se aproximado e elaborado, juntas, algumas propostas para tentar conciliar seus interesses. Os confrontos verbais ainda são vistos entre os mais radicais, mas os mais atuantes já adotam um tom de colaboração no lugar da oposição.

Um exemplo está no documento apresentado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no fim de março, pelos ex-ministros da Agricultura Reinhold Stephanes, do Meio Ambiente Carlos Minc, e pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel. Apesar de ainda estarem sob análise da Casa Civil, as propostas mostram os consensos conseguidos entre essas áreas.
Postar um comentário