5 de janeiro de 2010

Anotar e Cobrar

Palavras da governadora e "mãe" dos paraenses, em entrevista à Perereca da Vizinha: 
"agora, a saúde pública não vai ser de partido nenhum. Ela vai ser algo que vou olhar com a atenção necessária, como uma mãe. Uma mãe que está com o filho doente, porque a saúde pública é algo que está realmente com muita dificuldade. Então, o filho doente tem de estar do lado, olhando o tempo todo. E nós estamos tirando esse filho da UTI, ele já está na enfermaria, já está para ter alta. Não que ela não enfrentará dificuldades".
Se a saúde pública não vai ser de partido nenhum, quem serão os pais da criança rebelde e insuportável, que resiste a todas as medicações e não se cura? Vide caos como o do Hospital Regional do Baixo Amazonas, em Santarém.

 
Postar um comentário