28 de março de 2016

28 de março...

Cadê você?

Onde está você que não respondes?
Quando vou ouvir seus conselhos novamente?
E suas reclamações ponderadas?
Ou seu modo surdo de desaprovar...
Onde está seu sorriso de felicidade ao me ver?
Quando vou provar o pudim que você só fazia com amor?
Ou lhe ver me acordando para ir pra aula?
E separando os quitutes quando eu não chegava?
Ou na madrugada sentada no pátio me esperando?


Onde está você?
Que não me esperou chegar pra despedida...
Onde você deixou seu insubstituível modo de ser?
Porque me deixastes para lacrimejar ao pensar em ti?
Porque me deixastes desejando mais e mais de ti?
Trocaria dezenas de noites bem dormidas por um carinho teu
Substituiria anos de felicidades por uns minutos a mais contigo...
Hoje só posso dizer: quanta ainda falta fazes...

Tivesse eu a visão atual desta perda
Não teria saído tão cedo de teu lado
De teu regaço.

Se pudesse retornar no tempo
Eu voltaria pra casa
Para provar teus quitutes simples
Para passar as mãos nas tuas
Para te admirar.

Queria te te beijado mais...
Queria ter te abraçado muito mais...
Queria ter sido mais companheiro...
Queria ter sido mais filho teu, mãe.

Sempre soube que esta perda seria dolorosa.
Por isso aprendi que Saudade é o Amor que Fica!
Por isso anualmente me "queixo" de tua ausência aqui.
Eternamente...
Mãe...

(Republicado parcialmente por não encontrar as palavras)

Postar um comentário