20 de janeiro de 2014

Por que Ituiutaba e não Itaituba?

Contam que um jovem promissor subgerente de uma agência do Bradesco em Belo Horizonte foi chamado por seu superior e lhe foi oferecida a oportunidade de gerente geral da agência de Itaituba, que naquela época tinha um movimento financeiro enorme.
Sem pensar duas vezes o jovem aceitou e foi correndo contar a novidade a sua noiva, que morava em uma cidade de Minas Gerais, se dispondo a casar imediatamente.
Feito isso, ele retornou a São Paulo e foi arrumar seus bregueços e acertar a transferencia para a SUA nova agência.
No departamento de pessoal foi apanhar sua passagem para a cidade destino. Surpreso ficou quando lhe entregaram uma passagem aérea. Baixou a vista para a ordem de transferencia e leu a cidade: Itaituba/Pará!
"Não!", arquejou desamparado. "Eu entendi Ituiutaba"!
Bom, não se sabe o fim dessa estória, mas a confusão dos nomes poderia ser benéfica agora, se esta notícia ocorresse em Itaituba e não em Ituiutaba:
A Faculdade de Ciências Integradas do Pontal (Facip), que faz parte da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), realiza um trabalho em Ituiutaba, no Triângulo Mineiro, de mapeamento do pontos de descarte de lixo na cidade. O estudo mostra que a situação é preocupante e que a população tem uma boa parcela de responsabilidade no problema.
Durante o mapeamento foram identificadas nove áreas na cidade que, além do grande volume de resíduos, recebem materiais que causam risco para a saúde pública e o meio ambiente. Um relatório será produzido com os resultados do estudo e repassado ao poder público do município.
Fica a sugestão para as nossas faculdades encaminharem os alunos concluintes para trabalhos que sejam de profundo interesse coletivo do município.
 
Postar um comentário