12 de setembro de 2010

Oferta e Demanda do Minério de Ferro

O forte reaquecimento da demanda mundial por matérias-primas levou o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) a rever pela terceira vez este ano sua previsão de investimentos para o setor até 2014. A nova cifra, de US$ 62 bilhões, é recorde e supera em 14,81% a estimativa anterior feita em abril, que era de US$ 54 bilhões. O bom momento do setor tende a se refletir ainda no Brasil em um valor recorde de produção mineral. A previsão do Ibram para este ano é de históricos US$ 35 bilhões, dos quais US$ 20 bilhões vêm da extração do minério de ferro, carro-chefe da produção nacional. Se confirmado, o valor esperado para 2010 será 45,83% superior ao valor registrado pela produção nacional em 2009, que somou US$ 24 bilhões.
Segundo o presidente do instituto, Paulo Camillo, a atividade mineral no país deve continuar crescendo de 10% a 14% ao ano ao longo dos próximos cinco anos. Para o executivo, o nível recorde dos investimentos reflete a entrada de novos projetos, como a construção de uma pelotizadora e um mineroduto pela Samarco e também uma mina de ouro pela Kinross em Minas Gerais. Ao todo, são 60 projetos já contabilizados pelo Ibram até 2014.
O levantamento feito pelo Ibram revela que os projetos de minério de ferro devem representar 1/3 do total histórico de US$ 62 bilhões previstos para serem investidores entre 2010 e 2014. O carro-chefe é o minério de ferro e temos preços e produção subindo. Mas, no geral, outros minerais também estão com tendência de alta nos preços, frisou Camillo, que participou de uma palestra na Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil (Britcham), no Rio de Janeiro.
Correções - Em 2010, as grandes mineradoras conseguiram implementar um reajuste superior a 100% no preço do minério de ferro. Além disso, a demanda consistente por matérias-primas da China e a recuperação de mercados, como o europeu, vem contribuindo para ampliar o volume comercializado pelo País.
Durante o evento, o executivo lembrou que a perspectiva de crescimento da economia mundial, especialmente dos países emergentes, vem incentivando as companhias a aumentar seus investimentos para ampliar seu potencial de produção. Um dos indicadores que comprovam esse maior apetite do setor, conta, é o número recorde de pedidos de licença para pesquisa no Departamento Nacional Pesquisa Mineral (DNPM). Todos estão correndo atrás, há recordes nos pedidos de autorização de pesquisas, disse.
Déficit - Pelos cálculos do Ibram, o mercado transoceânico de minério de ferro opera atualmente com um déficit em torno de 90 milhões de toneladas anuais. A relação entre a oferta e a demanda pelo insumo só deve se equilibrar a partir de 2013, com a entrada em operação de novos projetos.
O executivo lembra que esse déficit tem contribuído para o atual ciclo de alta no preço do produto. A expectativa, prevê, é de que a tendência de alta dos preços se mantenha no curto prazo. O mercado transoceânico hoje é de cerca de 850 milhões de toneladas e só não houve déficit em 2008 e 2009 por causa da crise econômica global, afirmou.
FONTE: http://www.brasilminingsite.com.br/
Postar um comentário