Geologia e Ambiental

11 de setembro de 2010

"O PT não é o dono do Pará, não é o dono do Estado, não é o dono do Brasil. "

É irresistível esta publicação do blog "A Perereca da Vizinha":

Petistas se ofendem por serem comparados às diaristas!

É impressionante. Sempre que alguém encosta os petistas na parede, eles partem pra ignorância: inventam tudo que é sorte de coisa, só pra deixar mais sujo do que pau de galinheiro o infeliz que “ousou” criticá-los.


É exatamente isso o que estão tentando fazer os petistas, em relação a Simão Jatene: tentam criar um “factóide”, para transformar Jatene num verdadeiro “demônio” aos olhos da nossa população.


Nunca vi uma só agressão do Jatene nem às mulheres, nem aos trabalhadores paraenses.


E se acontecesse uma coisa assim, eu seria a primeira pessoa a dizer: maninhos, tô fora!


Porque eu sou, orgulhosamente, mulher, mãe e trabalhadora.


Aliás, sustento uma casa sozinha.


E da mesma forma que a minha xará, a governadora Ana Júlia Carepa, também abri caminho sozinha – na marra! - num meio dominado pelos homens.


O que o PT está tentando fazer com esse “factóide” em torno das diaristas é desviar o foco da questão principal. Escutem atentamente a inserção. Nenhum de vocês é burro, como o PT acredita que vocês são.


Ninguém critica “as diaristas”, mas sim a “diarista” Ana Júlia Carepa.


Sim, porque bem vistas as coisas, tanto a Ana Júlia quanto o Jatene, ou qualquer outro governador, não passam de empregados nossos: são pessoas que nós, contribuintes, pagamos com o nosso dinheiro de imposto, para que administrem o Governo do Estado.


Agora, se a Ana Júlia não gosta de ser comparada à uma diarista, o preconceito é dela – e não do Jatene.


Diaristas são trabalhadoras essenciais, extraordinariamente importantes – muito mais importantes do que muito político e muito intelectual por aí.


São trabalhadoras que dão um duro desgraçado, em um trabalho ingrato, que quase ninguém reconhece.


Então, eu não vejo qual o problema em comparar a governadora a uma diarista.


Tá certo que as nossas diaristas não têm o dinheiro e o “fino trato” da Ana Júlia, né mermo?


Tá certo que as nossas diaristas não têm os vestidos bacanas, das barangas e das madames, né mermo?


Nem podem viver na manicure e na esteticista, né mermo?


Mas daí a achar que é uma ofensa comparar a Ana Júlia a uma diarista, pelo amor de Deus!


Ou será que a Ana Júlia acredita que diarista não é gente?


Ou será que a Ana Júlia e o PT têm assim tanto preconceito em relação aos trabalhadores que suam a camisa por este País?


O PSDB paraense tem tentando manter esta campanha num nível elevado, em respeito ao eleitorado paraense, que não merece baixaria, que quer mais é saber quais as propostas de cada candidato para melhorar a vida desse nosso povo fumado, que tem, sim, direito a uma vida digna e feliz.


Temos criticado os petistas quanto à administração do governo, porque acreditamos que eles não têm competência para administrar o Estado do Pará.


A nós pouco importa se a Ana Júlia é mulher, homem, ou meio lá, meio cá.


O que a Ana Júlia faz pra dentro da porta da casa dela, não nos interessa.


Até porque é um direito dela fazer de sua vida pessoal o que bem entender, assim como é um direito nosso, de todas as mulheres do mundo.


E eu desafio os petistas a apontarem um só programa tucano de rádio ou TV que tenha tentado se intrometer na vida pessoal da Ana Júlia, ou que tenha esculhambado a Ana Júlia pelo fato de ela ser mulher.


E talvez o que esteja incomodando tanto os petistas é isto: ninguém falou em pedicures, pilotos de helicóptero ou dança das cobras, né mermo?


E aí os petistas não podem fazer aquilo que eles mais gostam: bancarem as vítimas.


Não nos interessa a vida pessoal da Ana; pra nós pouco importa se o governador do Estado é homem ou mulher.


O que queremos saber é o porquê de a nossa população estar sofrendo que nem sovaco de aleijado nas filas dos postos de Saúde.


O que queremos saber é como foi possível que um hospital como a Santa Casa tivesse até rato, barata e foco de dengue, em 2008, quando morreram aqueles trezentos bebês.


O que queremos saber é por que o Pará parou – e todos os indicadores econômicos demonstram isso.


O que queremos saber é como é que, em quatro anos, o Pará pode ter regredido tanto ao ponto de a nossa Educação – que é verdade que nunca foi lá essas coca-colas – ser hoje a pior do Brasil, com essa famigerada lanterninha do IDEB.


É isso o que a gente questiona: esse retrocesso, esse descaso, essa incompetência, num Pará que precisa desesperadamente se desenvolver, para garantir, ao menos, os direitos básicos a essa população tão sofrida que a gente tem.


E se o PT está incomodado com as nossas críticas, dane-se o PT!


O PT não é o dono do Pará, não é o dono do Estado, não é o dono do Brasil.


Quem criou o Universo foi Deus, não foi o PT!


E se o PT se propõe a governar, tem, sim, de aprender a conviver com as críticas, sem apelar para essas baixarias contra os seus adversários.


Não posso falar em nome do PSDB, não tenho procuração para isso.


Mas, de minha parte, eu garanto a vocês: a campanha do Jatene vai continuar “acelerando” nesse mesmíssimo nível elevado.


Sempre centrada na crítica administrativa, porque é isso que o povo do Pará espera e merece.


E o PT que prepare o seu “reboleicho”, porque quem está carregando Jatene de volta ao Poder é povo, é a sociedade paraense, contra todos aqueles que até choram quando falam em trabalhador - mas que se sentem até ofendidos quando são comparados a uma digna e honrada diarista.


FUUUUIIIIII!!!!!
Postar um comentário