1 de março de 2010

Os estudantes se deixam enganar II

A postagem acima suscitou um monte de comentários.
Um deles - da Ítala R. Nepomuceno - vem dos estudantes. Ela diz assim:

Olá! Incialmente eu gostaria de fazer três correções: Esta carteirinha não foi emitida ou editada pela UMES (mas sim pela UES), a UES congrega estudantes de várias IES e de vários cursos e este slogan não foi "financiado" e apenas representa uma das idéias defendidas por nós. Sou uma entre os dois estudantes de engenharia civil da entidade que faz parte da diretoria composta por dezenove membros. Bem, a UES defende que a Universidade não deve ser reduzida à uma mera superestrutura do capitalismo cedendo a sua produção de conhecimentos aos interesses de quem vem à nossa região com o objetivo primordial do lucro, sim porque apesar de todo o discursso oportunista dos exploradores de minério, entre outros recursos, de que vieram trazendo a bandeira do desenvolvimento para cá e ironicamente a da preservação ambiental, todos sabemos que não há compromentimento verdadeiro com isso. Eu como estudante de engenharia civil conheço sim tudo isso que você, Jubal, falou. Acredito na pesquisa como instrumento para mostrar a verdade e sou uma estudante que pesquisará não o que for conveniente e lucrativo para as empresas, na verdade o que eu faço é contrário. É um absurdo ver os financiamentos em pesquisas por parte da iniciativa privada(que beneficiam apenas a elas) e a distorção do que é científico, além das patentes que são um impecílio para que a aplicação dos conhecimentos produzidos na universidade que deveriam ser aplicadas para benefício da sociedade como um todo seja submissa às leis de mercado. Nós negamos essa relação entre universidade e estes "grandes" projetos.
*****************************************
Do poster:

Bom, Ítala, você não respondeu claramente a, pelo menos uma, das situações que coloquei na postagem: sabias que sem os minérios não terás nem a tinta para escrever as linhas ou os teclados para digitar neste computador? E falas de oportunalismo mineral? Como você se imagina construindo uma obra sem minérios? Quem trouxe esta "visão" que vocês tentam defender no slogan da carteirinha?

Se você conhecer ou souber de algum projeto - em qualquer área de conhecimento - que não vise lucro, favor nos ensinar. Esta é a concepção humana desde que o homem usou o trabalho pela primeira vez para modificar a natureza; não era forte o bastante, nem ágil, mas usou o seu cérebro para se tornar o melhor entre todos os animais.

Então reveja seu conceito do que se faz com os grandes projetos minerais. Existem muitos deles - e não se negará nunca isso - que são simplesmente empurrados goela abaixo de estudantes e de profissionais. Mas, você deve ter notado no texto, que para isso existem os órgãos fiscalizadores, MPs e a própria comunidade que os tornará eficientes. 
Negar relação entre universidade e projetos é tentar se esconder numa cova de insensatez. Onde estará o conhecimento que você seus pares adquirem nos bancos escolares se não vierem de experimentos particulares? Quem realmente financia os experimentos públicos? O particular através dos pagamentos de tributos e do incentivo aos cientistas.
Sugiro que você leia com atenção o comentário do geólogo Fred.
Nós, geólogos, não tentamos nos esconder numa concha de insensatos e puritanos defensores do "mais valia", mas mostrar onde está o grande erro que se comete ao se elaborar um projeto. E, na mineração, todos os erros cometidos no passado são lições executadas no presente e programadas para o futuro. 
No meio ambiente aprendemos e colocamos em prática as oportunidades que nos são mostradas a cada trabalho que realizamos na pesquisa mineral e na explotação dos minérios.
Reconheço o erro ao divulgar que a carteirinha foi emitida pela UMES e não pela UES, mas não muda o que pensamos sobre o que querem apresentar como novidade na "defesa" ambiental.
Continuo afirmando que a idéia é distorcida da realidade mineral.
Postar um comentário